India-Brazil Business Forum

A passagem da comitiva oficial brasileira pela Índia contou com importantes discussões acerca de vários âmbitos que unem estes países, sendo eles agricultura, abastecimento, tecnologia, energia e investimentos . Para tais questões estavam presentes a Ministra de agricultura, pecuária e abastecimento, Sra. Tereza Cristina, o Ministro de Minas e Energia, o Sr. Bento Albuquerque, e o Ministro Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação, Marcos Pontes.




Sra. Tereza Cristina, Ministra de agricultura, pecuária e abastecimento:

É um prazer compartilhar elementos do agronegócio brasileiro. Nós já somos uma potência agropecuária e ainda temos muito espaço para continuar crescendo. O Brasil é o terceiro maior produtor mundial de produtos agrícolas, o maior importador e exportador de produtos importantes como açúcar, café, soja, suco de laranja e carne de frango, entre outros. E além disso, somos um país com capacidade de expandir significativamente a oferta de alimentos de forma sustentável. Temos um mercado doméstico muito grande, mas a parte de nossa produção que é vocacionada ao mercado externo contribui muito para a garantir a segurança alimentar e nutricional global. Somos acompanhados de organizações respeitadas, como FAO e OCDE, que apontam cenários globais, marcados pelo rápido aumento da demanda por alimentos, energia e recursos naturais básicos, como água potável. Ao mesmo tempo, há exigência para que essa demanda seja atendida com impacto ambiental mínimo e baixo custo. É o que buscamos fazer com o Brasil, crescer preservando os recursos ambientais. Queremos concretizar a vocação e nos tornarmos efetivamente uma potência agroambiental global. O crescimento da atividade agropecuária e a sustentabilidade ambiental não são ideias conflitantes. Pelo contrário, agricultura é um dos setores mais afetados pelos efeitos das mudanças climáticas. Temperaturas médias mais altas, mudanças nos regimes de chuva, aumento na frequência e intensidade de eventos climáticos aumentam a possibilidade de danos causados por pragas que podem afetar fortemente o trabalho no campo. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil tem defendido fortemente práticas com baixa emissão de carbono que incluem a recuperação de pastagens degradadas, integração lavoura, pecuária, floresta e o uso do plantio direto, o qual eu tive o prazer de conversar com alguns Ministros aqui, na semana que passei na Índia, e disseram que apresentam curiosidade de conhecer o mecanismo de plantio direto do Brasil, que é uma agricultura tropical e desenvolvida pela nossa gente, nossa tecnologia e nossa EMBRAPA. Esses esforços são reconhecidos pelos nossos parceiros. O Brasil já exporta seus produtos agropecuários para mais de 160 países. Ressalto, contudo, que as exportações ainda são concentradas em um número limitado de produtos e aqui, nesta missão, saio convencida da cooperação e das convergências que podemos ter entre Brasil e Índia. Buscamos diversificar cada vez mais a nossa pátria, levo para o Brasil um ganho que é a abertura da exportação do gergelim do Brasil para a Índia, grande produtor desta commodity, mas que o Brasil poderá também contribuir suprindo a demanda deste gergelim que é tão importante para uma nova cultura que o Brasil vem desenvolvendo. E, Presidente, já vamos também dar um resultado significativo abrindo para exportações de semente de milho, levando a tecnologia indiana para o Brasil, muito importante para o começo de cooperação entre os nossos países. O Governo brasileiro vê com bons olhos todos os investimentos voltados à diversificação da produção nacional, e a ampliação de mercados. Iremos avançar para além dos atuais 7% de participação do Brasil no comércio mundial agrícola. Cabe igualmente ressaltar a importância da ampliação nos investimentos em inovação, outra área na qual podemos cooperar cada vez mais. O crescimento exponencial do setor agropecuário nos últimos 40 anos que colocou o Brasil entre os líderes mundiais no setor foi fruto do casamento bem sucedido entre recursos naturais abundantes, pesquisa científica de ponta e empreendedorismo dos nossos agricultores. A manutenção dessa liderança passa, necessariamente, pelo aprofundamento de pesquisas científicas em inovação. Mesmo com cifra por vezes espantosas da exportação do nosso agro, o percentual relativo de empresas brasileiras que exportam ainda é muito baixo. Mas estes números vem crescendo nos últimos anos, acreditamos que a internacionalização dos negócios é uma tendência natural das empresas que concorrem no mercado cada vez mais globalizado. O setor produtivo tem buscado oportunidade em países com ambiente de negócios favorável que ofereçam incentivos e garantias a investidores estrangeiros, da mesma forma que estamos trabalhando para implementar medidas para tornar o Brasil mais atrativo para as empresas estrangeiras. Essa é uma meta que tem sido dada pelo Presidente desde o início de seu Governo para melhorar a imagem internacional da agricultura brasileira, apresenta-la exatamente como é: inovadora, dinâmica, responsável, lucrativa e sustentável. Destaco que o potencial para o comércio e investimento dentro do Brasil é enorme e precisa ser aproveitado. Também volto muito feliz que neste acordo estamos tratando de genética, de banco de germoplasma entre os países, talvez esta seja a primeira grande abertura que teremos em curto tempo. Tenho plena convicção que a ampliação destas trocas resultará rapidamente em crescimento socioeconômico para nossos países.


Sr. Bento Albuquerque, Ministro de Minas e Energia: